Tipos de Espoleta

A mistura iniciadora contida nas espoletas é responsável pela iniciação da queima da pólvora na ocasião do tiro. A CBC fornece três tipos de espoletas para recarga de cartuchos de fogo central, com três tipos diferentes de sistema de iniciação: Boxer, Bateria e Berdan.

A espoleta Boxer caracteriza-se por possuir uma bigorna montada dentro da cápsula que contém a mistura iniciadora. A bigorna dá apoio ao percussor da arma, que comprime a cápsula e esmaga a mistura, provocando chamas que passam pelo evento (pequeno furo) do estojo da munição. Dessa forma, tem início a queima da pólvora. A espoleta tipo Boxer é montada no bolso dos estojos tipo Boxer o qual não possuem bigorna.

A espoleta do tipo Bateria caracteriza-se por ser constituída por cápsula, bigorna e estojo próprio com evento; a espoleta tipo Bateria é montada no bolso dos cartuchos de caça. Já a espoleta Berdan é constituída por uma cápsula com a mistura. Ela é utilizada nos estojos tipo Berdan, isto é, estojo com bigorna. Sua iniciação ocorre no momento em que o percussor da arma comprime a cápsula e esmaga a mistura contra a bigorna existente no estojo.

Tipos de Estojos

Tipos de Espoletas 

EspoletaTipoUtilização
Munições
Small Pistol 1 1/2BoxerMunições para armas curtas do calibre .25 Auto ao .40 S&W.
Large Pistol 2 1/2BoxerMunições para armas curtas nos calibres .44 Magnum, .45 Auto e para armas longas nos calibres .38-40 e .44-40.
Small Pistol Magnum 5 1/2BoxerMunição .357 Magnum. Também recomendada para as munições .30M1 e .223 Remington.
Small Rifle 7 1/2BoxerMunições para armas longas de pequeno calibre, em especial o 5,56 x 45mm.
Large Rifle 9 1/2BoxerMunições para armas longas, tais como a .22-250 Remington, .243 Winchester, 6,5x55mm, 7,62x51mm, .308 Winchester, 7,62×63 mm e .30-06.
EspoletaTipoUtilização
Cartuchos de Caça
209BateriaCartuchos de caça plásticos do calibre 12 ao 28.
209 / 50BateriaCartuchos de caça plásticos em calibre 32 e 36.
5,45mm (nº50)BateriaCartuchos de caça com tubo de papel em calibres 32 e 36.
6,45mm (nº56 Tupan)BerdanCartuchos Presidente.

Fonte: CBC

Tipos de Pólvoras CBC

Todas as pólvoras fabricadas pela CBC são de base simples (nitrocelulósicas) e produzidas com tecnologia própria e equipamentos de ponta. Isso garante a qualidade e a uniformidade de suas características técnicas para os diferentes lotes de fabricação. O moderno laboratório da Fábrica de Pólvora da CBC realiza análises físicas e químicas dos componentes utilizados e do produto final. Por meio dessas avaliações, é possível determinar características como densidade gravimétrica, potencial energético, tempo de combustão e temperatura de iniciação.

As pólvoras da série 100 são do tipo tubular monoperfuradas e destinam-se a armas longas raiadas. As da série 200 são do tipo disco ou disco compacto e destinam-se a armas longas não raiadas e armas curtas.

Em função do desempenho das pólvoras CBC, são fixadas as cargas de projeção a serem utilizadas no carregamento das munições produzidas pela CBC. Esse esquema garante que essas munições fiquem dentro das especificações balísticas estabelecidas pela SAAMI e pela CIP, colocando as munições CBC nos padrões de qualidade entre as das melhores fábricas do mundo.

PólvoraGrãoDensidade Gravimétrica Nominal – g/lTempo de Combustão milisegundo
FormatoDiâmetroEspessura mmComprimento
1102Tubular Monoperfurado0,701,30900 ± 301,75
1124Tubular Monoperfurado1,202,30930 ± 302,40
1126Tubular Monoperfurado0,701,30900 ± 302,20
1128Tubular Monoperfurado1,001,60900 ± 302,30
2207Disco Compacto0,700,15670 ± 300,75
2210Disco Compacto0,700,15670 ± 300,85
3216Disco0,900,45550 ± 300,35
3219Disco0,950,45570 ± 300,40
2220Disco Compacto0,700,15670 ± 300,95
2221Disco Compacto0,700,15670 ± 300,74
PólvoraUtilização
102Munições para rifles e fuzis em calibres tais como o .223 Remington, e .308 Winchester.
124Munição 7mm Remington Magnum.
126Munições de calibres como os .22-250 Remington, .30 Winchester, .243 Winchester, 7mm Mauser, .30-06 e .300 Winchester Magnum.
128Munição 6,5 x 55mm Mauser.
207Munições para armas curtas com características balísticas elevadas, tais como o 9mm Luger, .38 Super Auto e .38 SPL +P.
210Munições nos calibres .40 S&W, .380Auto +P e 9mm Luger.
216Munições nos calibres convencionais de armas curtas, tais como o .25 Auto até o .38 SPL. Pode ser utilizado em cartuchos de caça calibre 12, 16 e 28.
219Cartuchos de caça em todos os calibres. Pode ser utilizada também nas munições de calibres .38 SPL, .45 Auto, .32-20, .38-40, e .44-40.
220Munição .357 Magnum com projétil de 158 “grains” ou mais pesados e .44 Magnum.
221Munição 9mm Luger com projéteis leves (95/115 grains) e .40 S&W também com projéteis leves (155/160 grains).

Normas Para Recarga – Portaria N.1024

Portaria Nº 1024, de 04 Dezembro de 1997 – Normas para recarga de Munição

Portaria Nº 1024, de 04 Dezembro de 1997
(Recarga de Munições)
Aprova as Normas para Recarga de Munição.

O MINISTRO DO ESTADO DO EXÉRCITO, no uso das suas atribuições que lhe confere o disposto nas letras “g” e “u” do Art 21 e no parágrafo único do Art  294, do Regulamento para a Fiscalização de Produtos Controlados (R105), aprovado pelo Decreto nº 55.649, de 28 de janeiro de 1965 e alterado pelo Decreto nº 88.113, de 21 de fevereiro de 1983, e de acordo com o que propõe o Departamento de Material Bélico, resolve:

Art 1º Aprovar as NORMAS PARA RECARGA DE MUNIÇÃO, para uso exclusivo em competições, testes e treinamentos de tiro, por atiradores ou pessoas jurídicas.

Art 2º Revogar a Portaria Ministerial nº 294, de 30 de março de 1989, e outras disposições em contrário.

Art 3º Estabelecer que esta Portaria entre em vigor na data de sua publicação.

Gen Ex ZENILDO GONZAGA DE LUCENA

1. FINALIDADE
Definir as normas para a recarga de cartuchos a serem utilizados em competições, testes e treinamentos de tiro, por atiradores, clubes e federações de tiro, indústrias de armas, polícias civis e militares e empresas de formação de vigilantes.

2. REFERÊNCIAS
– Dec n º 55.649, de 28 de janeiro de 1965 (R-105)
– Dec n º 88.113, de 21 de fevereiro de 1983 (Altera R-105)
– Dec n º 2.025, de 30 de maio  de 1983 (institui a taxa de fiscalização de produtos controlados) 3.

ABRANGÊNCIA
a. Estas normas abrangem:
Os equipamentos de recarga e seus acessórios, que só podem ser adquiridos diretamente na indústria nacional ou por importação;

Os materiais de recarga , que  podem ser adquiridos tanto no comércio especializado como diretamente na indústria nacional, ou por importação.

b. As aquisições referidas no item anterior exigirão autorização do Ministério do Exército, e sofrerão um tratamento caso a caso. 

c. A autorização para aquisição na indústria nacional e para importação é de competência do Departamento de Material Bélico – DMB, e a autorização para aquisição no comércio especializado é de competência das Regiões Militares.

4. HABILITAÇÃO
a. Os atiradores só poderão habilitar-se à execução da recarga, se forem sócios de clube de tiro ou clube possuidor de departamento de tiro, registrado na Região Militar e filiado à respectiva federação
de tiro.

b. Essa habilitação será efetivada por intermédio de apostila ao seu Certificado de Registro.

c. Os clubes e federações de tiro, as indústrias de armas e outras entidades afins, habilitar-se-ão à execução da recarga, para suas necessidades, mediante apostila aos seus Certificados ou Títulos de Registro.

d. Os atiradores militares da ativa (oficiais, subtenentes e sargentos das Forças Armadas e Forças Auxiliares), para fins de aquisição de equipamentos e materiais de recarga, estarão dispensados da
exigência de filiação à clube e à federação de tiro.

e. Para fins de aquisição de equipamentos e materiais de recarga, as organizações policiais civis e militares estão dispensados de registro no Ministério do Exército. f. As empresas de formação de vigilantes – autorizadas a funcionar pelo Ministério da Justiça e que não estão obrigadas a registro no Ministério do Exército – deverão cadastrar-se nas Regiões Militares para receberem autorização de aquisição ou licença prévia de importação de equipamentos ou materiais de recarga.

5. LIMITES DE AQUISIÇÃO DE MATERIAIS DE RECARGA
a. O atirador habilitado a executar a recarga poderá adquirir, por intermédio do clube ao qual  estiver associado, ou da Organização Militar que pertença, para uso exclusivo em treinamento ou competição de tiro, os materiais abaixo relacionados, nos limites anuais a seguir estipulados:
Pólvora de caça Até 12.000 (doze mil) g
Espoletas para carregados a bala Até 10.000 (dez mil) un 
Espoletas para caça Até 10.000 (dez mil) un
Projéteis dos cal autorizados para tiro Até 10.000 (dez mil) un 
Estojos para arma de caça alma lisa Até 2.000 (duas mil) un 
Estojos de metal cal autorizados Até 2.000 (duas mil) un
Pólvora para car carregados a bala Até 5.000 (cinco mil) g

b. Para os atiradores integrantes das equipes de representação estadual ou nacional as quantidades anteriores poderão ser acrescidas em até 50%.

c. As indústrias, clubes e federações de tiro habilitadas, quando precisarem adquirir material para recarga, deverão comprovar as quantidades necessárias junto aos Serviços de Fiscalização de Produtos Controlados (SFPC).

d. As empresas de formação de vigilantes deverão comprovar suas necessidades perante o órgão competente do Ministério da Justiça.

6. SISTEMÁTICA PARA AQUISIÇÃO DE MATERIAIS DE RECARGA

a. Sistemática relativa aos atiradores habilitados

1) A aquisição de equipamentos e materiais de recarga na indústria nacional, ou no comércio especializado, será feita por intermédio dos clubes ou federações, os  quais apresentarão às Regiões Militares tantos mapas quantos forem os fornecedores, nos quais constarão a discriminação do material e o nome do atirador a que se destina.

2) A aquisição de equipamentos e materiais de recarga por importação, e devidamente justificada, será procedida de maneira individual, através de Certificados Internacionais de Importação, preenchidos e entregues às Regiões Militares, por intermédio dos clubes ou federações.

3) No caso do atirador militar da ativa, é dispensada a intermediação de clubes ou federações, devendo apresentar diretamente ao Comando da Região Militar de vinculação, a sua solicitação de autorização para aquisição na indústria nacional, no comércio especializado, ou para importação.

b. Sistemática relativa às organizações policiais civis
As organizações policiais civis apresentarão ao Comando da Região Militar de vinculação, suas solicitações de autorização para aquisição na indústria nacional, no comércio especializado, ou para importação.

c. Sistemática relativa às organizações policiais militares 
As organizações policiais militares apresentarão á Inspetoria Geral das Polícias Militares (IGPM), suas solicitações de autorização para aquisição na industria nacional, no comércio especializado, ou para
importação.

d. Sistemática relativa às empresas de formação de vigilantes.

1) As empresas de formação de vigilantes, para suas aquisições na indústria nacional, encaminharão seus pedidos, ao órgão competente do Ministério da Justiça.

2) Após serem autorizadas pelo Ministério da Justiça, as empresas apresentarão suas solicitações de aquisição na indústria ao Comando de Região Militar de vinculação, que as encaminhará ao
Departamento de Material Bélico, para autorização final.

e. Sistemática relativa a outras entidades
As indústrias de armas, as federações e clubes de tiro, para adquirir equipamentos e materiais de recarga, apresentarão ao Comando de Região Militar de vinculação suas solicitações de autorização para
aquisição na indústria, no comércio especializado, ou para importação.

f. Prescrições diversas

1) As solicitações de autorização para aquisição no comércio especializado, na indústria nacional ou para importação, serão feitas separadamente.

2) Os pedidos para aquisição  de equipamentos e materiais de recarga deverão ser acompanhados do comprovante de pagamento da Taxa de Fiscalização de Produtos Controlados correspondente.

3) As organizações policiais civis e militares estão dispensadas do pagamento da Taxa de Fiscalização de Produtos Controlados.

7. CONTROLE DOS EQUIPAMENTOS E MATERIAIS DE RECARGA

a. O atirador habilitado à execução da recarga deverá registrar, no SFPC/RM a que estiver vinculado, e no clube ao qual é associado, os equipamentos que possui para esse fim. O clube, por sua vez, deverá manter um cadastro atualizado dos sócios e seus equipamentos, remetendo uma cópia à federação de tiro à qual
estiver filiado.

b. As federações de tiro consolidarão as informações oriundas dos clubes filiados em um cadastro que conterá os nomes, os endereços e os equipamentos dos atiradores habilitados à execução da recarga.

c. O atirador deverá informar ao seu clube, a compra, a venda ou a permuta de equipamentos destinados à execução da recarga, bem como sua mudança de domicílio.

d. Os atiradores militares da ativa, deverão estar registrados como atiradores , e os equipamentos por eles adquiridos constarão de apostilas aos seus Certificados de Registro.

e. Os equipamentos adquiridos pelas organizações policiais civis e militares serão cadastrados nas Regiões Militares de vinculação.

f. A fim de que os SFPC regionais possam realizar o controle da aquisição de equipamentos e materiais para recarga ,o DMB, através da DFPC, comunicará as RM as autorizações concedidas.

g. Os clubes e federações de tiro, as indústrias de armas e outras entidades afins, que se habilitarem à execução de recarga, deverão informar ao SFPC/RM os tipos e quantidades de equipamentos de recarga que possuem e os que vierem a adquirir, assim como quaisquer alterações ocorridas com os mesmos.

h. As indústrias fornecedoras de equipamentos e materiais de recarga deverão manter um controle atualizado dos adquirentes.

i. O comércio especializado poderá adquirir, para revenda, os materiais de recarga na indústria nacional ou, excepcionalmente, por importação.

j. O comércio especializado deve fazer constar de seus mapas de movimentação de produtos controlados, as quantidades de material de recarga vendido e os nomes dos adquirentes.

8. RESPONSABILIDADES E SANÇÕES a. A munição recarregada somente poderá ser utilizada nas
seguintes situações:

1) na prática de tiro, pelos atiradores habilitados adquirentes do material destinado à recarga;

2) na prática de treinamento de tiro, pelos sócios, quadros ou alunos que se constituam em pessoas jurídicas habilitadas à recarga;

3) nos testes de armas produzidas, pelos fabricantes de armas que se habilitarem à recarga.

b. Não é permitida a comercialização da munição recarregada.

c. Os diretores de clubes e empresas , e os presidentes das federações de tiro e de outras entidades, são responsáveis pelo controle da aquisição e da distribuição dos materiais destinados a recarga, controlados por seus órgãos, devendo exercer fiscalização sobre o destino da munição recarregada e de seus componentes.

d. O não-cumprimento das disposições prescritas nas presentes Normas sujeitará o atirador ou a pessoa jurídica faltosa às seguintes sanções, além daquelas que são previstas no R-105:

1) suspensão da autorização para aquisição de material de recarga pelo prazo de 1 (um) ano.
2) suspensão em definitivo das referidas autorizações.
3) perda, por apreensão, do material encontrado em situação irregular.

e. As sanções não isentam os infratores das penalidades prescritas em Lei.

9. SEGURANÇA NA EXECUÇÃO DA RECARGA

a. As entidades especificadas no nº 4, letra c, destas Normas, por operarem com quantidades significativas de pólvora e espoletas, na execução da recarga, deverão fazer prova de posse de “área perigosa” julgada aceitável, mediante vistoria do SFPC regional, na conformidade da legislação vigente.

b. Para efeito destas Normas, considera-se “área perigosa” julgada aceitável, a área suficientemente distante de habitações, logradouros, estradas e depósitos de explosivos e inflamáveis, com a finalidade de limitar os danos  pessoais e materiais, em caso de acidente.

Rate de Queima

A tabela abaixo serve apenas para simplificar a escolha do atirador quando este necessitar de munições que requeiram maior velocidade, mais precisão ou que, simplesmente, sejam destinadas ao “plinking”. Nestes casos, o conceito de pólvora de queima rápida ou lenta é praticamente “elástico”, pois dependerá do calibre à ser recarregado, do peso do projétil, das pólvoras a serem comparadas, etc… .  

Alguns manuais de recarga suprimiram este tipo de informação tendo em vista que, freqüentemente, elas são mal interpretadas. O fato de um tipo de pólvora estar próximo a outro na tabela não significa que são parecidas e/ou que podem ser usadas em substituição uma à outra. Isto é uma das grandes fontes de erro na recarga

RápidasMédiasLentas
VV N310BullseyeGreen DotVV N330AA 7VV N350
AA 2CBC 219AA 5UniqueAA 9HS 7
Red DotVV N320Rex 1200Rex 2836Blue DotH110
HP 38Win 231CBC 207HS 6VV N110Win 296
WSLAA N100VV N340Win 540ThorH 4227
CBC 216TucanoHercoPV2P2400CBC 220
Fox Trap.BD 521VV 3N37..

Segurança na Recarga

Utilize sempre óculos de segurança

Não Fumar

Não Beber

Mantenha-se alerta e atento durante a recarga. 

Evite qualquer atividade que possa lhe distrair.

Mantenha as crianças afastadas do local de recarga.

Não recarregue quando estiver cansado ou com problemas que possam torná-lo desatento ou distraído.

Crie uma rotina para os procedimentos de recarga. 

Evite alterar essa rotina.

Mantenha o local de recarga sempre limpo e organizado, evitando assim acumulo de partículas explosivas.

Mantenha os componentes Identificados e em suas embalagens originais.

Confira e reconfira todas as fases da recarga de forma a evitar erros. 

Consulte sempre as tabelas e livros de recarga Recarregue somente um calibre por vez. 

Utilize somente dados de carregamento aprovados por fontes idôneas. 

Preste atenção nos dados fornecidos pelos manuais e quanto ao tipo e modelo de componente. 

Verifique sempre a calibração das balanças e dosadores. 

Nunca misture pólvoras. 

Nunca utilize pólvoras quimicas em cartuchos destinados a armas de pólvoras negras. 

Nunca tente desenvolver cargas de alta pressão sem equipamentos que possam determinar seus valores 

Após colocação da pólvora faça uma verificação visual para checar dose dupla. 

Se notar qualquer sinal de excesso de pressão não mais utilize os cartuchos. Descarregue-os.

Tabela de Recarga Pólvora Fox Trap

Advertências (leia atentamente antes de usar)

Como os tempos de queima das pólvoras variam de um lote para outro, recomenda-se iniciar as recargas utilizando 10% a menos das indicações da tabela acima, observando a ciclagem da arma e os eventuais excessos de pressão.
Outros fatores, como temperatura, umidade relativa do ar, altitude, grau do CRIMP, profundidade de assentamento do projetil, dimensões da câmara da arma, (HEAD SPACE E JUMP), qualidade do raiamento, HEAD SPACE e GAP, também podem interferir na pressão do disparo e na velocidade do projetil. 

Utilize óculos de segurança, tanto na recarga quanto na prática de tiro.
Sempre use equipamentos de recarga adequados, especialmente balanças e dosadores. Manuseie tudo com cuidado, evitando impacto, atrito, calor, faísca ou chama direta.

Não nos responsabilizamos pelo uso inadequado do produto. 

Não misture pólvoras de tipos ou fabricantes diferentes. Mantenha a pólvora fora do alcance de crianças.

Em virtude da impossibilidade de exercer controle sobre os equipamentos, componentes, método operacional e na utilização correta das cargas apresentadas nas tabelas sugestivas, no que se refere à quantidade de pólvora utilizada, a CFA não assume nenhuma responsabilidade, explícita ou implícita sobre os resultados e ocorrências com a munição recarregada pelo consumidor.

Conversões de medidas úteis:

• para transformar pés por segundo para metros por segundo multiplique por 0,3048.
• para transformar milímetros para polegadas multiplique por 0,03937.
• para transformar grains para gramas multiplique por 0,0648.

Tabela de Recarga Pólvora Fox TP

Advertências (leia atentamente antes de usar)

Como os tempos de queima das pólvoras variam de um lote para outro, recomenda-se iniciar as recargas utilizando 10% a menos das indicações da tabela acima, observando a ciclagem da arma e os eventuais excessos de pressão.
Outros fatores, como temperatura, umidade relativa do ar, altitude, grau do CRIMP, profundidade de assentamento do projetil, dimensões da câmara da arma, (HEAD SPACE E JUMP), qualidade do raiamento, HEAD SPACE e GAP, também podem interferir na pressão do disparo e na velocidade do projetil. 

Utilize óculos de segurança, tanto na recarga quanto na prática de tiro.
Sempre use equipamentos de recarga adequados, especialmente balanças e dosadores. Manuseie tudo com cuidado, evitando impacto, atrito, calor, faísca ou chama direta.

Não nos responsabilizamos pelo uso inadequado do produto. 

Não misture pólvoras de tipos ou fabricantes diferentes. Mantenha a pólvora fora do alcance de crianças.

Em virtude da impossibilidade de exercer controle sobre os equipamentos, componentes, método operacional e na utilização correta das cargas apresentadas nas tabelas sugestivas, no que se refere à quantidade de pólvora utilizada, a CFA não assume nenhuma responsabilidade, explícita ou implícita sobre os resultados e ocorrências com a munição recarregada pelo consumidor.

Conversões de medidas úteis:

• para transformar pés por segundo para metros por segundo multiplique por 0,3048.
• para transformar milímetros para polegadas multiplique por 0,03937.
• para transformar grains para gramas multiplique por 0,0648.

Tabela de Recarga Pólvora Fox PC

Advertências (leia atentamente antes de usar)

Como os tempos de queima das pólvoras variam de um lote para outro, recomenda-se iniciar as recargas utilizando 10% a menos das indicações da tabela acima, observando a ciclagem da arma e os eventuais excessos de pressão.
Outros fatores, como temperatura, umidade relativa do ar, altitude, grau do CRIMP, profundidade de assentamento do projetil, dimensões da câmara da arma, (HEAD SPACE E JUMP), qualidade do raiamento, HEAD SPACE e GAP, também podem interferir na pressão do disparo e na velocidade do projetil. 

Utilize óculos de segurança, tanto na recarga quanto na prática de tiro.
Sempre use equipamentos de recarga adequados, especialmente balanças e dosadores. Manuseie tudo com cuidado, evitando impacto, atrito, calor, faísca ou chama direta.

Não nos responsabilizamos pelo uso inadequado do produto. 

Não misture pólvoras de tipos ou fabricantes diferentes. Mantenha a pólvora fora do alcance de crianças.

Em virtude da impossibilidade de exercer controle sobre os equipamentos, componentes, método operacional e na utilização correta das cargas apresentadas nas tabelas sugestivas, no que se refere à quantidade de pólvora utilizada, a CFA não assume nenhuma responsabilidade, explícita ou implícita sobre os resultados e ocorrências com a munição recarregada pelo consumidor.

Conversões de medidas úteis:

• para transformar pés por segundo para metros por segundo multiplique por 0,3048.
• para transformar milímetros para polegadas multiplique por 0,03937.
• para transformar grains para gramas multiplique por 0,0648.

Tabela de Recarga Pólvora Fox Caça

Advertências (leia atentamente antes de usar)

Como os tempos de queima das pólvoras variam de um lote para outro, recomenda-se iniciar as recargas utilizando 10% a menos das indicações da tabela acima, observando a ciclagem da arma e os eventuais excessos de pressão.
Outros fatores, como temperatura, umidade relativa do ar, altitude, grau do CRIMP, profundidade de assentamento do projetil, dimensões da câmara da arma, (HEAD SPACE E JUMP), qualidade do raiamento, HEAD SPACE e GAP, também podem interferir na pressão do disparo e na velocidade do projetil. 

Utilize óculos de segurança, tanto na recarga quanto na prática de tiro.
Sempre use equipamentos de recarga adequados, especialmente balanças e dosadores. Manuseie tudo com cuidado, evitando impacto, atrito, calor, faísca ou chama direta.

Não nos responsabilizamos pelo uso inadequado do produto. 

Não misture pólvoras de tipos ou fabricantes diferentes. Mantenha a pólvora fora do alcance de crianças.

Em virtude da impossibilidade de exercer controle sobre os equipamentos, componentes, método operacional e na utilização correta das cargas apresentadas nas tabelas sugestivas, no que se refere à quantidade de pólvora utilizada, a CFA não assume nenhuma responsabilidade, explícita ou implícita sobre os resultados e ocorrências com a munição recarregada pelo consumidor.

Conversões de medidas úteis:

• para transformar pés por segundo para metros por segundo multiplique por 0,3048.
• para transformar milímetros para polegadas multiplique por 0,03937.
• para transformar grains para gramas multiplique por 0,0648.

Tabela Recarga CBC Fogo Central

Os valores de carga apresentados nas tabelas deste catálogo para obter a velocidade média foram fixados utilizando-se na montagem das munições e cartuchos, componentes (estojo, espoleta, projétil, bucha e bagos de chumbo) empregados pela CBC no carregamento de munições e cartuchos originais.

Em alguns casos, podem ser empregadas no carregamento outras pólvoras CBC além das especificamente recomendadas. Todavia, aquelas sugeridas são as que não ultrapassam os limites máximos de pressão determinados pelas normas internacionais SAAMI E CIP.

Na fixação das cargas dos cartuchos de caça, somente foram utilizadas buchas plásticas pneumáticas (petecas).

Para o carregamento dos cartuchos Presidente, recomendamos a utilização da pólvora 216.

A utilização de componentes – estojos espoletas e projéteis – não originais CBC, de lotes de pólvora diferentes daqueles empregados na confecção das tabelas, de variações nas cargas de chumbo e na pressão com a qual as buchas plásticas são inseridas nos estojos de cartuchos de caça, nos tipos, peso e profundidade de colocação dos projéteis nos estojos de munições carregadas com projéteis e até mesmo da técnica de carregamento, poderão resultar em desempenhos balísticos diferente dos indicados. Por medida de segurança, sugerimos ao praticante da recarga que iniciem seus carregamentos utilizando carga 10% menor do que as apresentadas nas tabelas e só aumentá-las até esses valores, caso não seja observado nenhum indício de sobrepressão.

Devido à impossibilidade de exercermos qualquer controle sobre o equipamento, componentes, método operacional, e menos ainda no uso correto das cargas apresentadas nas tabelas, tanto no que diz respeito à quantidade de pólvora utilizada quanto na substituição da recomendada por outra, a CBC não assume nenhuma responsabilidade, explícita ou implícita sobre os resultados e ocorrências com a munição recarregada pelo consumidor.

Pólvoras são extremamente inflamáveis e devem ser manuseadas e estocadas com cuidado, evitando-se impacto, atrito, calor excessivo, faísca ou chama direta. Para sua segurança, mantenha o produto em sua embalagem original e estocado em local fresco, seco e arejado. Nunca confine pólvora.